Do the dance

 

Desde a criação do theremin no final da Primeira Guerra Mundial aconteceram muitos avanços tecnológicos que permitiram o advento de mais recursos sonoros para a musica, sintetizadores, gravadores digitais, computadores e softwares de composição e outros equipamentos e instrumentos eletrônicos foram responsáveis pelo surgimento da chamada música eletrônica, e o Justice, dupla francesa formada por Gaspard Augé e Xavier de Rosnay, sabe bem como utilizar esses elementos. Esses elementos trazem para a música muitas possibilidades sonoras, e no clipe da música D.A.N.C.E essa idéia é transferida para o figurino.

O clipe começa com um rapaz sentado na bancada de um pub vestindo uma calça jeans e uma blusa branca sintonizando um rádio, até que chega outro rapaz, que também veste uma blusa branca e uma calça jeans e o chama para dançar, a partir desse momento começam a aparecer estampas nas camisas de ambos, o que era apenas uma blusa básica branca torna-se um elemento diferenciado, o que pode ser sintetizado por Janice Ghisleri: “Marcar a própria presença, chamar a atenção, pôr ênfase em determinadas partes do corpo, denotar com uma imagem clara e muitas vezes mesmo codificada com precisão alguns significados, e dar a conhecer outros de maneira explícita, mas, sempre sensível, eis o objetivo principal do vestuário”, é isso que de certa forma sintetiza o figurino do clipe do Justice, plurissignificativo e que chama rapidamente atenção daquele que assiste.

Patrice In Pavis no dicionário de Teatro dizia que: “A dificuldade está no fato de tomar dinâmico o figurino: fazer com que ele se transforme, que não se esgote após um exame inicial de alguns minutos, mas que “emita” signos por um bom tempo, em função da ação e da evolução das relações actanciais.”, essa dificuldade foi bem superada no clipe da Justice, as estampas que aparecem nas blusas acompanham o ritmo da música, e isso só é possível por causa das tecnologias de edição, resultado do avanço tecnológico na modernidade, assim como a própria música, além disso, elas trazem um estilo simbólico com muitas cores e clara influência da pop artA pop art de Andy Warhol.

Warhol mostrava o quanto personalidades públicas são figuras impessoais e vazias, além da impessoalidade do objeto produzido em massa para o consumo, a pop art do figurino do Justice faz uma crítica irônica ao bombardeamento da sociedade pelos objetos de consumo, à valorização da beleza, além da valorização do espetáculo, e tudo isso prende o telespectador, não só pelas cores vibrantes das estampas, como também pelo dinamismo. As estampas também brincam com as formas das letras e da própria blusa, que por vezes torna-se jaquetas e coletes, como diria Patrice In Pavis em relação a função do função do figurino “tudo é possível, nada é simples”, e no clipe do Justice todas as possibilidades foram utilizadas na composição do figurino, e nada nele é simples, irreverente criação o figurino do clipe é uma boa base para aqueles que se interessam no assunto.

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: