Entre cabeludos e descabelados – Parte I

acdc1977_001

Por Juliana Dias

Quase um lançamento em série: AC/DC volta depois de 20 anos e grava um cd. Judas Priest, na geladeira a tantos outros, também. O álbum “Chinese Democracy” finalmente foi lançado, depois de décadas só na promessa. Tem dvd novo do Iron nas bancas e o Kiss já está gravando em estúdio pra sair o seu próximo ano. Será que 2008 foi o ano dos retornos das bandas de hard e heavy das antigas?

E pensar que foi um ano mais indie do que qualquer coisa. As bandas mais desconhecidas foram as mais difundidas e as que estouraram para o sucesso, principalmente pela expansão dos festivais independentes pelo Brasil. O heavy ficou mais de lado dos novos olhares, e justamente por isso ele anda mais underground que o próprio underground. E nesse meio, quem foi atrás dos novos álbuns das antigas bandas foram justamente aquelas pessoas que curtem “a mais tempo que você” — o público fiel e antigo.

O público fixo e que se conserva por anos é uma característica das bandas mais pesadas, e uma consequência de vários fatores: em bandas hard e heavy, não há tendências rápidas e mutáveis a todo ano, e algumas bandas são as própria fonte por lançarem um estilo: é o caso do AC/DC, Judas Priest e Iron Maiden, por exemplo.

Black Ice conseguiu alcançar o Top da Billboard.

Oito anos de espera e nenhuma decepção: Black Ice conseguiu alcançar o Top da Billboard e agradar aos fãs.

Dos álbuns lançados esse ano, o de maior e de inegável sucesso foi o “Black Ice”, do AC/DC. Bom ou ruim, é fato: essa banda australiana não é simplesmente hard rock, é quase a encarnação do estilo. Antes deles, não haviam aqueles pulinhos no palco. E usar bermuda com terno? Putz, nem pensar. Aqueles riffs não existiam… A banda manteve lineariedade ao estilo que ela mesma inventou. O resultado: conseguiram atingir o top das vendas. Ao escutar as músicas, dá até pra fazer os pulinhos e brincar de air guitar.

O tempo trouxe nuances mais leves e a força da banda ao mesmo tempo, nas músicas. Os títulos das faixas só levam ao rock’n’roll, assim como as letras. Corresponde, então, às expectativas, sendo fiel a si e ao público. E o segredo para manter tudo isso? Só pra ter noção da tradição, por trinta anos, Malcolm ficou do lado direito da bateria, com o Cliff à esquerda. E eles mantiveram isso, inclusive na produção do cd. Segundo Johnson, o vocalista, “seria o fim do AC/DC. Não saberiam o que fazer, e a banda se dissolveria. Ponto final”. Ufa. Saiu tudo ok. Top da Billboard que o diga.

ame ou odeie.

Trocadilhos infames compõe as opiniões do novo álbum do Judas Priest. Não há meio termo: ame ou odeie.

Do outro lado, na Inglaterra, o Judas Priest veio com o Nostradamus, álbum que carrega um olho bem do mal na capa. Conceitual e em grande parte inovador, faz muitas opiniões se dividirem. Seriam os novos riffs e tentativas de reinvenção os principais problemas de aceitação? De qualquer forma, é possível identificar com clareza o Judas que fez o Painkiller e Breaking the Law, regravadas tantas vezes por bandas mais jovens que conseguem notas agudas tão altas, como o Hammerfall. Nesse ínterim, chamá-lo de Noscagamus ou não fica à cargo do ouvinte.

O estilo das capas de cd se conservou, ninguém pode negar! Fato é: a polêmica faz o cd vender mais e mais… Os shows, apesar de não lotarem, conseguem deixar quase a casa cheia. E os agudos continuam, desde os anos 60.

E o dvd do Iron? O tão esperado álbum do Guns? Pq o Kiss tá nessa? E, por fim, o que se conclui de tudo isso? Calma, não precisa começar a “bater a cabeça” por causa disso. São cenas do próximo post!

4 Comments

  1. Jalmir
    Posted dezembro 13, 2008 at 5:18 pm | Permalink

    Bom texto. Porém o último disco do Ac/dc foi lançado em 2000, o do Judas foi em 2005 e o Chinese Democracy é prometido desde 97.

    Só faltou falar aí que o Uriah Heep também lançou um grande disco este ano.

  2. Juliana Dias
    Posted dezembro 13, 2008 at 11:49 pm | Permalink

    Não, Jalmir. Vc confundiu as coisas…

    AC/DC lançou Black Ice em 2008, mesmo. Em 2000 ele lançou Stiff Upper Lip.

    Nostradamus também de 2008. O anterior do Judas que foi em 2005, e o nome do álbum foi Angel of Retribution.

    E Chinese Democracy é sim uma lenda do rock, por baixo, a 17 anos.

    Para atualizar-se sobre lançamentos de álbuns e novidades gerais do metal, leia http://whiplash.net/

    Abraços.

  3. Jalmir
    Posted dezembro 14, 2008 at 2:45 am | Permalink

    bem, troque “último” por “anterior” e voilá.

  4. jooleeana
    Posted dezembro 14, 2008 at 2:47 am | Permalink

    Não se preocupa que não precisa.
    Quem sabe vai entender.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: