Arnaldo “Loki” Baptista

loki_posterPor Ramon Ribeiro

Mutantes é referência. Com suas músicas psicodélicas e aparência irreverente, a banda foi responsável por fincar o rock na cultura brasileira. O trio, composto por Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sergio Dias, também atravessou o Atlântico e agradou a gringalhada. Até hoje são tidos como a banda brasileira de maior prestígio internacional. E é justamente sobre um dos integrantes do grupo que o documentário “Loki” se trata.

O filme do cineasta Paulo Henrique Fontenelle, recém-lançado em terras potiguares, se propõe a contar os altos e baixos de Arnaldo Baptista, tido como um dos artistas mais inovadores da música brasileira. O personagem por si só vale o ingresso. No entanto, o diretor adiciona um tempero a mais ao documentário, pois narra de maneira franca e aprofundada a trajetória do mito.

Com comentários de vários amigos, músicos, críticos, do irmão Sergio e do próprio Arnaldo, vai se montando a imagem do artista, ora um gênio, ora um louco. Está tudo lá, o começo precoce, a época dos festivais com a participação ao lado de Gilberto Gil, os diversos discos, as drogas, o divórcio com Rita Lee, a depressão, o declínio, a tentativa de suicídio, a recuperação.

Sua primeira esposa, Rita, não dá nenhum depoimento. Permitiu apenas o uso de suas imagens. A relação ingênua dos dois, que se casaram muito cedo, e terminaram de forma abrupta, mexeu bastante com o músico. Não se sabe ao certo a real causa da separação. Especula-se apenas que deve ter sido por um motivo grave, tendo em vista o comportamento irredutível de Rita em não tocar no assunto.

86_17-Loki

Arnaldo, Sergio e Rita

O rompimento com a ex-mulher marca de forma definitiva a vida do artista. Antes, sempre alegre e brincalhão, Arnaldo, aos poucos, foi se tornando um sujeito depressivo, também agravado pelo uso irrestrito de LSD. Fica claro nos depoimentos de outros integrantes da banda que as reuniões na Serra da Cantareira eram regadas a doses cavalares de ácido.

Aquela vida cheia de viagens ainda iria causar acidentes, como aconteceu. Sua genialidade caminhou lado a lado com a loucura. Freqüentou hospícios e flertou com o suicídio, escapando com conseqüências graves. Suas imagens atuais demonstram claramente que o mito está diferente, quase infantil até. Mas que tenta se recuperar, muito por causa do importante apoio e cuidado de sua terceira mulher, Lucinha Barbosa.

Um grande destaque do filme não poderia deixar de ser a excelente trilha sonora, composta pelos grandes sucessos do artista. O tom sincero que o diretor consegue apresentar durante todo o documentário agrada muito. E conquista por isso. Pois expõe sem lamúrias a trajetória de um ícone da música não apenas brasileira, mas mundial, como pode ser visto na declaração reverenciada de Sean Lennon, filho do ex-líder dos Beatles. Definitivamente é uma ótima oportunidade para as pessoas compreenderem um artista de personalidade e obra tão mutantes.

3 Comments

  1. Rayanne
    Posted junho 22, 2009 at 12:59 pm | Permalink

    O documentário realmente é muito bom. Vale a pena!

    Só acho que ele merecia um texto um tantinho mais detalhado e informativo, pra gente poder sentir a riqueza e a vibração colorida que emana do Arnaldo, através da tela, e chega até nós.

  2. Rayanne
    Posted junho 22, 2009 at 1:07 pm | Permalink

    Ah, e tinha que ter falado da parte mais bonita do filme!

    Ele conversando com uma bailarina profissional, pergunta:

    – “Como você aguenta? Essas pessoas dançando, é como se elas passassem por todos os meus poros, me esburacando…”

    Porra, aquilo foi foda.

  3. RONALDO PEDRONI
    Posted julho 17, 2009 at 12:23 am | Permalink

    Quando se fala de Arnaldo é preciso no mínimo muita conciencia, sempre tive ele como ídolo maximo, lógico além de Sérgio tbm, realmente no mínimo eles fizeram a diferença não só em minha vida, más de muitos e muitos. . . hoje em dia deveria haver pelo menos um meio Arnaldo,tive 3 Arnaldo em minha vida, o primeiro meu pai, depois esse tremendo carae por fim para homenageá-lo meu filho levou seu nome


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: